CLICK HERE TO TRANSLATE THE BLOG TO YOUR LANGUAGE!

terça-feira, 7 de março de 2017

O Feng Shui I - historia e considerações sobre as energias



Você já percebeu que algumas construções trazem saúde e prosperidade para seus usuários, enquanto outras não parecem ser especialmente benéficas para as pessoas que nelas habitam ou trabalham?
E aquele imóvel da esquina, aparentemente um bom lugar, mas onde já se abriram e fecharam um sem número de negócios? Na última vez foi aquela loja tão bem montada e que não durou nem dois meses aberta.
E aquela conhecida que, depois que mudou para aquele maravilhoso apartamento nos jardins, nunca mais teve saúde?
E aquela promoção que seu amigo esperava há anos e só veio depois que ele conseguiu mudar de casa?
E aquela casa que seu cunhado começou com tanto carinho e não consegue terminar?
E o seu chefe que, depois de mudar a escrivaninha de lugar nunca mais foi o mesmo?
Todas as perguntas anteriores podem ter muitas respostas, mas um estudo da interação das construções com seus usuários nos leva a descortinar um universo no qual é possível perceber que existem certos fatores, como energias que fluem e influenciam a vida das pessoas.
Não basta uma boa estrutura, uma excelente impermeabilização, nem mesmo um projeto arquitetonicamente perfeito para tornar uma edificação saudável em todos os sentidos.
Há milênios o homem se preocupa com essas energias. No antigo Egito uma das maiores preocupações dos faraós, sacerdotes e construtores dos palácios, pirâmides, túmulos e templos era sua localização correta, inclusive em relação a algumas estrelas. Havia regras precisas e muito claras a esse respeito. Eles acreditavam que o simples erro de alguns graus numa localização faria com que se perdesse a sintonia com o todo e catástrofes inimagináveis daí viriam. A astronomia e seus muitos instrumentos de precisão foram desenvolvidos exatamente em função disso.
Os Maias, no antigo México, possuíam observatórios astronômicos para obter precisão de dados tanto para edificações, como para realização de rituais. A construção de suas pirâmides e templos também obedeciam a regras, o que pode ser constatado pelas direções precisas e que sempre se repetem.
Na Inglaterra, o monumento de Stonehenge obedece a uma orientação baseada na posição do sol no momento dos solstícios e dos equinócios. Estudiosos que se dedicaram à análise astronômica através dos tempos, dão conta da precisão das leituras astronômicas daquela época.
Não é aceitável que todos esses estudos e conhecimentos deles gerados, tenham sido em vão. Nossos ancestrais possuíam uma grande ligação com a natureza e o cosmo, uma vez que não estavam tão envolvidos com a toda a tecnologia atual que nos seduz, mas também nos afoga, cortando nossos liames com as energias universais.

Como nosso objetivo é conhecer as energias que afetam as construções, vamos rever quais os conhecimentos antigos e quais as ciências empíricas que tratam do assunto. Vamos, neste artigo, falar do Feng Shui.


O Feng Shui
O Feng Shui, originário da China e respaldado num sólido conhecimento de cinco mil anos, trata do movimento das energias ao longo do tempo, mas sobre o solo. Estuda como elas se distribuem e atuam na área que circunda os imóveis, provindas tanto de outros imóveis como de acidentes geográficos que tenham influência na circulação das energias. O Feng Shui também considera a Terra como um ser vivo e, como tal, passível de tratamento pela tradicional medicina chinesa.
             Aliás, o conceito de medicina na China tem muito pouco a ver com a medicina ocidental. Enquanto essa é basicamente corretiva, isto é, trata das doenças, a função do médico chinês sempre foi manter o individuo saudável e, para isso, ele recebia seus honorários. A partir do momento em que surgia alguma doença na família, seus proventos cessavam até a cura completa do paciente. Da mesma forma o Feng Shui tem esse caráter preventivo, suas técnicas são utilizadas para evitar que males de saúde, financeiros e emocionais se abatam sobre as pessoas que se utilizam às construções.

A base do Feng Shui é o I Ching, o mais famoso pilar da sabedoria chinesa, embora já tenha sido confundido com superstição ou magia. O Feng Shui é uma ciência natural, praticada com arte e capaz de prover boa saúde e prosperidade. Isso é conseguido graças a uma correta e harmônica distribuição em relação aos campos energéticos que existem sobre a terra e para fazer essa distribuição e ajustes, são usadas as Teorias do Yin e Yang e a Teoria dos Cinco Elementos.  
O Feng Shui, entretanto, só começou a ser conhecido, no Ocidente, há pouco tempo e, para isso, há uma boa explicação: o regime comunista da China continental queimou a maior parte dos livros existentes sobre o assunto, considerando-o superstição e coisas ligadas ao velho regime dos imperadores. O que restou desse conhecimento ficou restrito a China insular, para onde fugiram os especialistas na área, levando o que sobrou do conhecimento escrito. Hoje, para muitas técnicas que usamos no Feng Shui pode não haver uma explicação documentada, mas através da tradição oral elas são validadas pela aplicação prática. Foram os norte-americanos que descobriram essa velha sabedoria e, de certa forma, foram responsáveis pela sua introdução no Brasil.
Há várias escolas no Feng Shui, mas existem entre elas princípios comuns os quais, como você vai ver, muitas vezes coincidem com a sabedoria de nossos antepassados europeus. As principais escolas são a da Forma e a da Bússola.
 A Escola da Forma vai analisar todo o entorno do imóvel, ou seja, a topografia do terreno, o curso dos rios se houver, a vegetação existente, os outros imóveis próximos, enfim, formas e volumes que cercam o imóvel analisado. A tudo isso se junta a pitoresca apresentação chinesa das energias através das formas animais: atrás de seu imóvel fica a tartaruga protegendo suas costas de qualquer ataque; a sua esquerda fica o tigre branco; a sua direita o dragão, o mais auspicioso animal do universo chinês e, finalmente, a sua frente fica a fênix que, como todo pássaro, precisa espaço para voar. Mas não se impressione com todo esse zoológico pois são apenas representações simbólicas de energias.
A Escola da Bússola leva em conta a direção da entrada de energia no imóvel, o que se obtém através de uma bússola. Com base nessa direção e na data de nascimento dos habitantes, ou dos frequentadores do imóvel, são localizadas as direções mais propicias para cada atividade diária das pessoas.
Todo o trabalho do verdadeiro Feng Shui é bastante complexo e envolve cálculos, desenhos e um vasto trabalho de análise. É possível, porem, saber quais são os princípios básicos que um consultor da matéria analisaria num primeiro momento, e que você também pode observar antes de comprar seu imóvel.
(Continua )